Loading...
LETRA

Comprei uma mata virgem do coronel bento lira, fiz um rancho de barrote, amarrei com cipó cambira, fiz na beira da lagoa só para pescar traíra. eu não me incomodo se me chamam de caipira, no lugar que índio canta muita gente admira. canoa fiz de paineira, varejão de guaiuvira, a boita pesa uma arroba, dois remos de sucupira se jogo a tarrafa na água sozinho um homem não tira. capivara é bicho arisco quando cai na minha mira. puxo o arco e jogo a flecha, lá no barranco revira eu sou grande pescador,
Tambem gosto de catira, quando eu entro num pagode não tem quem não se admira no repique da viola contente o povo delira se a tristeza está na festa eu chego, ela se retira,
Bato palma e bato o pé até as moças supiram muita gente não conhece o cantar da curruira, nem sabe o gosto que tem a pinga com sucupira,
Morando lá na cidade não se come cambuquira.
É por isso que eu gosto do sistema do caipira,
Pode até ficar de fogo, ele não conta mentira.