Loading...
LETRA

Que loco amanecer, mordiendo tu sonrisa
Y amarte hasta caer, perdido en tus caricias
Que bello atardecer, sudando entre las sabanas
Volverte a recorrer, jugando con malicia

Embrujados, encendidos, indecentes, escondidos
Mis manos como garras se han prendido de tu piel
Prisioneros de la luna reinventado la locura

Entre gritos y dulzuras, tú y yo
Los momentos sin medida devorándonos la vida
Enredados noche y día, tú y yo

Que mágico es dormir al borde de tu cuerpo
Saber que estas ahí dibujándome los sueños
Y al despertar morir, rendido a tu belleza
Llorar hasta reír, burlando la tristeza

Embrujados, encendidos, indecentes, escondidos
Tus labios insolentes y atrevidos piden más
Prisioneros de la luna reinventado la locura

Entre gritos y dulzuras, tú y yo
Los momentos sin medida devorándonos la vida
Enredados noche y día, tú y yo

Dame la sed que el agua no apaga, dame la sal que el mar se robó
Bebe de mi boca desesperada, déjame bañarte con mi sudor
Dame la furia de tu mirada, dame el veneno de tu pasión
Deja tu perfume sobre mi almohada, para respirar de tu olor
Prisioneros de la luna reinventado la locura

Entre gritos y dulzuras, tú y yo
Los momentos sin medida devorándonos la vida
Enredados noche y día, tú y yo

TRADUÇÃO

[Você e eu]
Que louco amanhecer, mordendo seu sorriso
E amá-la até cair, perdido em suas caricias
Que belo pôr do sol, suando entre os lençóis
Voltar a conduzi-lá, brincando com malícia

Assustados, ligados, indecentes, escondidos
Minhas mãos como garras se agarraram a sua pele
Prisioneiros da lua reiventando a loucura

Entre gritos e doçuras, você e eu
Os momentos desmedidos devorando a vida
Emaranhados noite e dia, você e eu

Que mágico é dormir próximo do seu corpo
Sabendo que você está lá desenhando meus sonhos
E ao despertar morrer, entregue a sua beleza
Chorar até rir, enganando a tristeza

Assustados, ligados, indecentes, escondidos
Teus lábios insolentes e atrevidos pedem mais
Prisioneiros da lua reiventando a loucura

Entre gritos e doçuras, você e eu
Os momentos desmedidos devorando a vida
Emaranhados noite e dia, você e eu

Me dê uma sede que a água não tira, me dê o sal que o mar roubou
Beba da minha boca desesperada, deixa-me te banhar com meu suor
Me dê a raiva do seu olhar, me dê o veneno da sua paixão
Deixe o seu perfume no meu travesseiro, para respirar seu aroma
Prisioneiros da lua reiventando

Entre gritos e doçuras, você e eu
Os momentos desmedidos devorando a vida
Emaranhados noite e dia, você e eu