Loading...
LETRA

El amor tiene firma de autor en las causas perdidas,
El amor siempre empieza soñando y termina en insomnio,
Es un acto profundo de fe que huele a mentira,
El amor baila al son que le toquen sea Dios o el demonio
Sea Dios o el demonio

El amor es la guerra perdida entre el sexo y la risa,
Es la llave con que abres el grifo del agua en los ojos,
Es el tiempo más lento del mundo cuando va de prisa,
El amor se abre paso despacio no importa el cerrojo

El amor es la arrogancia de aferrarse a lo imposible,
Es buscar en otra parte lo que no encuentras en ti

El amor es un ingrato,
Que te eleva por un rato,
Y te desploma porque sí.
El amor es dos en uno,
Que al final no son ninguno
Y se acostumbran a mentir.
El amor es la belleza,
Que se nutre de tristeza,
Y al final siempre se va

El amor casi siempre es mejor cuando está en otra parte,
Luce bien en novelas que venden finales perfectos,
No te vayas amor que aunque duelas no quiero dejarte,
Si eres siempre un error porque nunca se ven tus defectos.

Puede ser que lo que juzgo sea otra cosa, no lo sé,
Que a mi suerte le ha tocado el impostor, tampoco sé.

El amor es un ingrato,
Que te eleva por un rato,
Y te desploma porque sí.
El amor es dos en uno,
Que al final no son ninguno,
Y se acostumbran a mentir
El amor es la belleza,
Que se nutre de tristeza
Y al final siempre se va

Y no te deja decir lo que quieres decir,
Sin hacerte saber que se escupe hacia arriba.
Es sentarte a mirar pasar frente a ti
El desfile mortal del cadáver de todos tus sueños

El amor es un ingrato,
Que te eleva por un rato,
Y te desploma porque sí.
El amor son dos en uno,
Y al final no son ninguno,
Y se acostumbran a mentir.
El amor es la belleza,
Que se nutre de tristeza,
Y al final siempre se va

TRADUÇÃO

[O Amor]

O amor tem assinatura de autor nas causas perdidas,
O amor sempre começa sonhando e acaba em insônia,
É um profundo ato de fé que cheira a mentira,
O amor dança ao som que toque seja Deus ou o demônio
Seja Deus ou o demônio

O amor é guerra perdida entre o sexo o riso,
É a chave que abre a torneira da água nos olhos,
É o tempo mais lento do mundo quando ele vai depressa,
O amor se abre devagar, não importa a fechadura.

O amor é a arrogância de se apegar ao impossível,
É procurar em outra parte o que não encontras em ti.

O amor é um ingrato,
Que te eleva por um momento,
E te derruba porque sim.
O amor são dois em um,
Que no final não são nenhum,
E se acostumam a mentir.
O amor é a beleza,
Que se nutre de tristeza, E no final sempre se vai.

O amor é quase sempre melhor quando está em outro lugar,
Parece bom em novelas que vendem finais perfeitos,
Não vá amor, que mesmo que doa eu não quero te deixar,
Se você é sempre um erro porque nunca se vêem seus defeitos.

Pode ser que o que julgo seja outra coisa, não sei,
Que à minha sorte tenha tocado o impostor,também não sei,

O amor é um ingrato,
Que te eleva por um momento,
E te derruba porque sim.
O amor são dois em um,
Que no final não são nenhum,
E se acostumam a mentir.
O amor é a beleza,
Que se nutre de tristeza,
E no final sempre se vai.

E não te deixa dizer o que você quer dizer,
Sem te fazer saber que se cospe para cima.
É sentar a ver passar diante de você,
O desfile mortal do cadáver de todos seus sonhos.

O amor é um ingrato,
Que te eleva por um momento,
E te derruba porque sim.
O amor são dois em um,
Que no final não são nenhum,
E se acostumam a mentir.
O amor é a beleza,
Que se nutre de tristeza,
E no final sempre se vai.