Loading...
LETRA

Ao romper da madrugada, encilho o pingo com jeito
Enquanto o galo abre o peito meu cusco perde o sossego
Risco a frente do galpão, retalhando com as choronas
E o orvalho se emociona e chora um pranto nos pelegos

(Rincão curtido no tempo, querência cor das auroras
Desperta o Rio Grande inteiro no tilintar das esporas
Desperta o Rio Grande inteiro no tilintar das esporas)

Estampa rude de taura, pilchado da bota ao pala
Que até o chinedo se cala, pra um olhar de reverência
Não há quem não note o pingo, que pisa macio no pasto
Ringindo o couro do basto no corredor da querência

O Recital da cordeona debaixo de um arvoredo
Confessa todo o segredo da inspiração do gaiteiro
Chinocas de olhar matrero parecem queimar a gente
Com miradas tão ardentes como o fogo de um braseiro