Loading...
LETRA

Eu sou caipira do mato
Sou um caboclo nato e não nego a raiz
Tenho a pele queimada
Essência entranhada da flor no nariz

Chapéu de palha e botina
Luta matutina que me faz feliz
Não sou homem de gravata
Meu rancho de taipa eu mesmo é quem fiz

O galo canta e eu levanto
Sempre me encanto com a cerração
Também contemplo as rolinhas
Que pousam e caminham lá no mangueirão

Os canarinhos cantando
E o sanhaço bicando a polpa do mamão
Jogo milho pras galinhas
Eu só sugo as gotinhas de orvalho no chão

Sinto uma satisfação
Quando a criação termino de tratar
Volto pro rancho e a mulher
Me serve um café com bolo de fubá

Faço um cigarro de palha
E vou à batalha, outro dia enfrentar
Passo e levo da mina
Pura e cristalina água pra tomar

Bem lá no alto da serra
No ventre da terra semeio a semente
Rego com muito suor
Com fé e amor eu espero paciente

E o centeio do pão
Nasce vindo o botão pra dar fruto pra gente
E a tarde eu volto à palhoça
Quando o sol na roça se vai no poente

Me banho no ribeirão
Depois tomo um pingão na hora do jantar
Sento no banco lá fora
E ali fico horas a admirar

O céu com suas centelhas
Vendo as estrelas mudar de lugar
Vendo da lua o seu lume
Igual os vagalumes no escuro a brilhar

Este meu reino encantado
É abençoado por Nosso Senhor
Graças à mãe natureza
Fartura na mesa tem o lavrador

Eu sou um caboclo rude
Mas tenho saúde, a paz e o amor
Se existe a felicidade
Nasceu, na verdade, no interior
Se existe a felicidade
Nasceu, na verdade, no interior

(Pedro Paulo Mariano - Santa Maria da Serra-SP)