Loading...
LETRA

nato ai bordi di periferia
dove i tram non vanno avanti più
dove l'aria è popolare
è più facile sognare
che guardare in faccia la realtà...

quanta gente giovane va via
a cercare più di quel che ha
forse perché i pugni presi
a nessuno li ha mai resi
e dentro fanno male ancor di più

ed ho imparato che nella vita
nessuno mai ci da di più
ma quanto fiato quanta salita
andare avanti senza voltarsi mai...

e ci sei adesso tu
a dare un senso ai giorni miei
va tutto bene dal momento che ci sei
adesso tu
ma non dimentico
tutti gli amici miei
che sono ancora là...

e ci si trova sempre più soli
a questa età non sai... non sai
ma quante corse ma quanti voli
andare avanti senz'arrivare mai...

e ci sei adesso tu
al centro dei pensieri miei
la parte interna dei respiri tu sarai
la volontà
che non si limita
tu che per me sei già
una rivincita...
adesso sai chi è
quell'uomo che c'è in me...

nato ai bordi di periferia
dove non ci torno quasi più
resta il vento che ho lasciato
come un treno già passato
oggi che mi sei accanto
oggi che si sei soltanto
oggi che ci sei...
adesso tu

TRADUÇÃO

Nascido nos limites da periferia
Onde os bondes não prosseguem mais.
Onde o ar é popular
É mais fácil sonhar
Que encarar a realidade.

Quanta gente jovem vai embora
A buscar mais daquilo que tem.
Talvez porque os socos recebidos
Para ninguém nunca os devolveu
E dentro doem ainda mais.

E aprendi que na vida
Ninguém nunca nos dá demais.
Mas quanto fôlego, quanta ladeira,
Seguir em frente
Sem nunca voltar-se.

E aí estás agora tu
A dar um sentido
Aos meus dias.
Está tudo bem
Do momento que estás tu.

Agora tu,
Mas não esqueço
Todos os amigos meus
Que estão ainda lá
E somos sempre mais sozinhos.

A esta idade não sabes, não sabes,
Ma quantas corridas,
Mas quantos vôos,
Seguir em frente
Sem chegar nunca.

E aí estás agora tu,
No centro dos pensamentos meus,
A parte interna dos respiros,
Tu serás a vontade que não nos limita.
Tu que para mim és já uma desforra.

Agora sabes quem é
Aquele homem que está em mim.

Nascido nos limites da periferia
Onde eu não volto quase mais.
Permanece o vento que deixei
Como um trem já passado,
Hoje que estás ao meu lado,
Hoje que estás somente,
Hoje que estás agora tu.