Loading...
LETRA

Io conosco la tua strada,
Ogni passo che farai,
Le tue ansie chiuse e I vuoti,
Sassi che allontanerai
Senza mai pensare che
Come roccia io ritorno in te...
Io conosco I tuoi respiri,
Tutto quello che non vuoi
Lo sai bene che non vivi,
Riconoscerlo non puoi.
E sarebbe come se
Questo cielo in fiamme
Ricadesse in me,
Come scena su un attore...

Per amore,
Hai mai fatto niente
Solo per amore,
Hai sfidato il vento e urlato mai,
Diviso il cuore stesso,
Pagato e riscommesso,
Dietro questa mania
Che resta solo mia?

Per amore,
Hai mai corso senza fiato
Per amore,
Perso e ricominciato?
E devi dirlo adesso
Quanto di te ci hai messo,
Quanto hai creduto tu
In questa bugia.
E sarebbe come se
Questo fiume in piena
Risalisse a me,
Come china al suo pittore.

Per amore,
Hai mai speso tutto quanto, la ragione,
Il tuo orgoglio fino al pianto?
Lo sai stasera resto,
Non ho nessun pretesto,
Soltanto une mania
Che resta forte e mia
Dentro quest'anima che strappi via.
E te lo dico adesso,
Sincero con me stesso,
Quanto mi costa non saperti mia.
E sarebbe come se
Tutto questo mare
Annegasse in me.

TRADUÇÃO

[Por Amor]

Eu conheço a tua estrada,
cada passo que fará,
as tuas ânsias fechadas e os vazios,
pedras que ficarão longe
sem nunca pensar que
como rocha eu volto em você...
Eu conheço os teus respiros.
tudo aquilo que não quer.
Você sabe bem que não vivi,
reconhece-lo não pode.
E seria como se
este céu em chamas
recaísse em mim,
como a cena de um ator...

Por amor,
nunca fez nada
só por amor,
tens desafiado o vento e nunca gritou,
idealizou o mesmo coração,
corrompido e recomeço,
atrás desta mania
que fica só para mim?

Por amor,
nunca correste sem força
por amor,
perdido e recomeçado?
e deves dize-lo agora
quanto de você está no meio,
quanto você acreditou
nesta mentira.
E seria como se
este rio em abundancia
viesse contra mim,
como declinação de um pintor.

Por amor,
nunca gastaste tudo quanto, a razão,
o teu orgulho até o choro?
Sabes esta noite fico,
não tenho nenhum pretexto,
só tenho uma mania
que fica forte dentro desta
minha alma que arrancas fora.
E te falo agora,
sincero comigo mesmo,
quanto me custa saber que não és minha.
E seria como se
todo este amor
afogasse em mim.