Loading...
BIOGRAFIA

Gal Costa, nome artístico de Maria da Graça Costa Pena Burgos, (Salvador, 26 de setembro de 1945) é uma cantora brasileira de MPB.

Gal é filha de Mariah Costa Pena e Arnaldo Burgos. Por volta de 1955 é amiga das irmãs Sandra e Dedé Gadelha, futuras esposas dos compositores Gilberto Gil e Caetano Veloso. Em 1959 ouve pela primeira vez o cantor João Gilberto cantando Chega de saudade no rádio; João também exerceu uma influência muito grande na carreira da cantora, tendo trabalhado também como balconista da principal loja de discos de Salvador da época, a Roni Discos. Em 1963 é apresentada a Caetano Veloso por Dedé Gadelha.

Em 22 de agosto de 1964, estreou ao lado de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Maria Bethânia, Tom Zé e outros, o espetáculo Nós, por exemplo, espetéculo de inauguração do Teatro Vila Velha, em Salvador. Nesse mesmo ano participa de Nova Bossa Velha, Velha Bossa Nova, no mesmo local e com os mesmos parceiros. Deixa Salvador para viver na casa da prima Nívea, no Rio de Janeiro, seguindo os passos de Maria Bethânia, que havia estourado como cantora no espetáculo Opinião.

A primeira gravação em disco se deu no disco de estréia de Maria Bethânia: o duo Sol Negro, seguido do primeiro compacto, com Eu vim da Bahia, de Gil, e Sim, foi você, de Caetano. No fim do ano conhece João Gilberto pessoalmente. Participou do I Festival Internacional da Canção, em 1966, interpretando Minha senhora, de Gilberto Gil e Torquato Neto.

O primeiro LP solo foi lançado em 1967, ao lado de Caetano Veloso, Domingo e participou do III Festival de Música Popular Brasileira defendendo a canção Dadá Maria (Renato Teixeira).

Além deste, participou também do disco Tropicália ou Panis et Circencis, com Baby, o primeiro grande sucesso. No mesmo ano participa do III Festival Internacional da Canção (TV Globo), defendendo a canção Gabriela Mais Bela, (Roberto Carlos e Erasmo Carlos). Em novembro participa do IV Festival da Record defendendo Divino maravilhoso. No começo de 1969 lança o primeiro disco solo, Gal Costa e apresenta o espetáculo Gal!, com o repertório do disco homônimo.

Ao lado dos colegas Gilberto Gil, Caetano e Maria Bethânia, lançou o disco Doces Bárbaros, do grupo batizado com o mesmo nome e idealizado por Bethânia, que era um dos vocais da banda. O disco é considerado por muitos uma obra-prima da MPB; apesar disto, na época do seu lançamento em 1976 foi duramente criticado. Doces Bárbaros era uma típica banda hippie dos anos 70 e, ao longo dos anos, foi tema de filme, DVD, enredo da escola de samba Estação Primeira de Mangueira em 1994 com o enredo Atrás da verde-e-rosa só não vai quem já morreu, já comandaram trio elétrico no carnaval de Salvador, espetáculos na praia de Copacabana e uma apresentação para a Rainha da Inglaterra.

Inicialmente o disco seria gravado em estúdio, mas por sugestão de Gal e Bethânia, foi o espetáculo que ficou registrado em disco, sendo quatro daquelas canções gravadas pouco tempo antes no compacto duplo de estúdio, com as canções Esotérico, Chuckberry fields forever, São João Xangô Menino e O seu amor, todas gravações raras.

Desde a década de 1960, quando surgiram os especiais do Festival de Música Popular Brasileira (TV Record) até o final da década de 1980, a televisão brasileira foi marcada pelo sucesso dos espetáculos transmitidos; apresentando os novos talentos da MPB registravam índices recordes de audiência. Gal Costa participou do especial Mulher 80 (Rede Globo), um desses momentos marcantes da televisão. O programa exibiu uma série de entrevistas e musicais cujo tema era a 'Mulher' e a discussão do papel feminino na sociedade de então abordando esta temática no contexto da música nacional e da inegável preponderância das vozes femininas na MPB; com Maria Bethânia, Fafá de Belém, Zezé Motta, Marina Lima, Simone, Rita Lee, Joanna e as participações especiais das atrizes Regina Duarte e Narjara Turetta, que protagonizaram o seriado Malu Mulher.

Originalmente idealizado para a montagem do ballet teatro do Balé Teatro Guaíra (Curitiba, 1982), o espetáculo O Grande Circo Místico foi lançado em 1983. Gal Costa integrou o grupo seleto de artistas da MPB que viajaram pelo país apresentando o projeto, um dos maiores e mais completos espetáculos teatrais, para uma platéia de mais de 200 mil pessoas, em quase 200 apresentações. Gal Costa interpretou a canção A História de Lili Braun, musicado pela dupla Chico Buarque e Edu Lobo.

Valendo-se ainda do filão engajado da pós-ditadura e feminismo, juntou-se ao coro da versão brasileira de We are the world, o hit americano que juntou vozes e levantou fundos para a África ou USA for Africa. O projeto Nordeste já (1985), abraçou a causa da seca nordestina, e unindo 155 vozes numa criação coletiva, surgiu o compacto, de criação coletiva, com as canções Chega de mágoa e Seca d´água. Elogiado pela competência das interpretações individuais, foi no entanto criticado pela incapacidade de harmonizar as vozes e o enquadramento de cada uma delas no coro.

Em atitude que surpreendeu muitos de seus fãs, em fevereiro deste ano, posou nua para a edição 127 da extinta revista Status, poucos meses antes de completar 40 anos de idade.

Lançou em 1987 o disco e o espetáculo Lua de Mel Como o Diabo Gosta, um fracasso de vendas.